Beijos e seu significado no sexo



O beijo é uma das maiores “ferramentas” que usamos para perceber se somos, ou não,  compatíveis com determinada pessoa. 

Os beijos, são os primeiros sinais da paixão, ou não. A professora doutora Helen Fisher, antropóloga e autora de livros sobre os relacionamentos humanos, destacadamente, entre casais – homem(tipo)-mulher(tipo) – desenvolve em seus textos teses muito interessantes e inovadoras a respeito dos conceitos que ela observou durante suas pesquisas entre determinados tipos de pessoas e os hormônios envolvidos nessas experiências.
Abaixo, uma pequena mostra de suas conclusões.
Helen afirma que “um beijo é um mecanismo de avaliação do companheiro”, e que, durante o ato de beijar, ocorre uma série de reações químicas e, em alguns casos, um beijo ruim pode ser o “começo do fim” de um novo romance.

A antropóloga disse que beijar representa pouco mais de 90% das atividades sociais dos seres humanos e também é um instinto natural para estimular os mecanismos da reprodução. “Quando beijamos, vemos, cheiramos, sentimos o outro. A saliva do outro contém quantidades de hormônios que são um indicador de sua personalidade. Ao beijar, o cérebro fica ativo. Cinco nervos levam mensagens do que estão sentindo. É realmente uma ferramenta de avaliação muito poderosa”, disse Helen Fisher.

A pesquisadora dirigiu uma série de estudos baseados em imagens do cérebro e afirma que, quando uma pessoa beija outra, tem acesso a três sistemas cerebrais primários utilizados para a união e a reprodução: a conduta sexual, o amor romântico ou apaixonado e, em terceiro lugar, o afeto. Segundo Fisher, o beijo ativa diferentes reações químicas que estimulam os três sistemas.

O contato dos lábios não é só uma das formas mais íntimas e prazerosas de manifestar o amor e alimentar a paixão. Beijar também permite descobrir se duas pessoas têm uma boa “química” como casal e ajuda a melhorar a circulação e até a dentição. Poucas pessoas chegarão a esse agradável remédio natural.

Quando beijamos impulsionados pelo amor romântico, uma parte do cérebro enlouquece e se comporta “como se estivesse sob os efeitos da cocaína”. “O amor romântico é um impulso poderoso que vem do motor da mente, da área responsável pelas dependências”, afirma a antropóloga.
Por outro lado, “há evidências de que a saliva contém testosterona e que os homens gostam de beijos com mais saliva e com a boca mais aberta, o que me sugere que tentam transferir testosterona para incentivar o apetite sexual nas mulheres”, disse a pesquisadora.
Fisher acredita que “as reações químicas cerebrais causadas pelos beijos estão presentes na ‘paquera’, mesmo que não sejamos conscientes delas”.

Começo ou fim de romance

Para mostrar isso, a antropóloga firma que “há pessoas que se desencantaram com o pretendente apenas três minutos após tê-lo beijado”, e sustenta que há diferentes estilos de atrações amorosas que dependem da composição do coquetel de substâncias cerebrais (neurotransmissores) e hormonais de cada pessoa.
A pesquisadora investigou quem se sente atraído por quem com 28 mil pessoas. Fisher comprovou que aqueles nos quais predomina a dopamina, criativos e dispostos a correr riscos, procuram pessoas com características semelhantes, assim como os que têm mais serotonina, mais tradicionais, apaixonam-se por pessoas análogas.

Por outro lado, os que evidenciam níveis elevados de testosterona – analíticos, lógicos e aptos à engenharia – se juntam a pessoas com mais estrogênio, nas quais predominam qualidades como imaginação, compaixão e intuição.
Segundo outro estudo publicado no jornal russo “Pravda”, beijar na boca beneficia a pressão sanguínea, o sistema cardiovascular e os níveis de colesterol, além de prevenir cáries tão bem, ou melhor, que o creme dental, além de outros males relacionados à dentição.
De acordo com a pesquisa, as tensões faciais que ocorrem durante o beijo melhoram a circulação e o estado da pele do rosto. Além disso, o beijo pode servir para aliviar a dor, já que, quanto mais apaixonado, maior a liberação de endorfinas, uma substância hormonal que tem propriedades analgésicas semelhantes às da morfina.

– O beijo é um mecanismo de avaliação do companheiro. Durante o ato de beijar, ocorre uma série de reações químicas e, em alguns casos, um beijo ruim poderia ser o “começo do fim” de um novo romance.

– Quando beijamos, vemos, cheiramos, sentimos o outro. A saliva do outro contém quantidades de hormônios que são um indicador de sua personalidade. Ao beijar, o cérebro fica ativo.

– Beijar na boca pode beneficiar a pressão sanguínea, o sistema cardiovascular e os níveis de colesterol, além de prevenir cáries e outros males relacionados à dentição.







Fonte: www.chemistry.com

Adaptaçã




Um comentário

Deixe uma resposta